Friday, September 23

GATO PERSEGUINDO CACHORRO, DE PATINS

EU ESTAVA VINDO NA RUA RIO GRANDE DO SUL, CHEGANDO EM MINHA CASA, HAVIA UM CASAL ANDANDO UM POUCO NA MINHA FRENTE, QUANDO PERCEBI QUE UM CACHORRO PARECIA QUE VINHA CORRENDO PARA ME PEGAR. OLHEI PARA TRÁS E VI UM HOMEM, ANDANDO DE PATINS, CORRENDO MUITO, E SEGUINDO ELE VINHA UM GATO. QUANDO OLHEI PARA TRÁS, O GATO SAIU EM DIREÇÃO A DIVINA PIZZA QUE TEM EM FRENTE MINHA CASA. ESTE HOMEM NO PATINS PASSOU MUITO RÁPIDO POR MIM E QUASE ATROPELOU O CASAL QUE IA NA MINHA FRENTE. LOGO QUE ELE PASSOU, VEIO OUTRO, E ATRÁS DESTE, VINHA UM CACHORRO O SEGUINDO. ELES PASSARAM POR MIM TÃO RÁPIDO QUE EU NÃO PUDE VER O ROSTO DO HOMEM QUE ESTAVA NO PATINS.

Thursday, September 22

PASSAGEM SECRETA


EU ESTAVA NUM LOCAL, TODO GRAMADO VERDINHO, TIPO CAMPO DE GOLF. SÓ NÃO ERA PLANO. HAVIA VÁRIAS ONDULAÇÕES QUE NÃO ERAM MAIS DE 1 METRO DE ALTURA. EU ESTAVA DEBRUÇADO NUMA ESPÉCIE DE CORRIMÃO QUE TINHA ALI. NISTO VI UMA MULHER GESTICULANDO. E FALANDO ALGO QUE EU NÃO ENTENDIA. HAVIA UMA ESPÉCIE DE PORTA DE GARAGEM NUM DESTE PEQUENOS MORROS. MAS ESTA PORTA NÃO TINHA MAIS QUE MEIO METRO DE ALTURA. NISTO APARECEU ALGUÉM DIZENDO QUE ELA ERA BOLIVIANA E NÃO SABIA FALAR PORTUGUÊS E, SÓ QUERIA QUE TIRASSEM O CARRO DA FRENTE DA GARAGEM DELA, QUE FICAVA NESTE PEQUENO MORRO. EU FIQUEI PENSANDO COMO CABERIA UM CARRO ALI. ELE DEVERIA SER MUITO BAIXINHO.

Wednesday, September 21

O CARRO E A ÁRVORE





















ESTAVA NUM LOCAL, QUE NÃO SEI BEM ONDE ERA. HAVIAM DUAS PESSOA DO MEU LADO. NISTO EU SAI CORRENDO E ESTAVA NESTE CAMINHO, SENTADO, O HENRIQUE, MARIDO DA JAQUELINE. EU E ELE NÃO NOS FALAMOS. QUANDO EU PASSEI POR ELE, ELE ME CUMPRIMENTOU E DISSE QUE EU ESTAVA CERTO NO QUE FAZIA. MAS AI, JÁ NÃO ERA O HENRIQUE E SIM, O VITINHO, MEU IRMÃO MAIS VELHO. EU NÃO DISSE NADA, PASSEI POR ELE E CONTINUEI ANDANDO. PEGUEI UM CARRO QUE ESTAVA ALI E SAI DIRIGINDO POR UMAS RUAS QUE NÃO SEI ONDE FICAM. PARECIA UM BAIRRO QUE ESTAVA SENDO FORMADO, POIS NÃO HAVIAM CASAS, APENAS AS RUAS. EU DIRIGIA INDO DE UMA RUA A OUTRA. FAZIA MUITA POEIRA POIS EU CORRIA BASTANTE. NISTO, AO ENTRAR NA POEIRA QUE EU MESMO TINHA FEITO, NÃO VI NADA E O CARRO SAIU DA RUA E BATEU NUMA ÁRVORE QUE TINHA NO TERRENO ALI. EU SAI LÁ DE DENTRO RINDO, NÃO TINHA SENTIDO NADA. NÃO HAVIA NINGUÉM POR PERTO.