Skip to main content

Posts

Showing posts from April, 2011

A GALINHA, OS PINTINHOS E A ÁRVORE

Estava numa empresa, juntamente com o Fabricio. Eu iria fazer a medição da qualidade do ar. O equipamento já estava montado ali. Eu andava de um lado a outro, olhando a empresa que na verdade era um forno de Cubilot. O Fabrício fazia algumas anotações em uma folha que tinha numa prancheta. Fui até o equipamento, para colocar novos filtros, para continuar a medição. Nisto vi em cima de uma pequena parede, em volta do forno Cubilot, vários filtros de medição. Todos tinham marca d’água da empresa que teria feito a medição anteriormente. Fiquei tentando entender porque eles teriam largados aqueles filtros ali. Nisto uma pessoa me chamou e disse que os filtros que o Fabricio havia colocado, não estavam captando nenhuma sujeira. E me chamou para ir ver. Desci uma escada, para ir ver o do que ele falava. Ele foi indo e eu o seguindo. Ele saiu da empresa e entrou num terreno onde havia um grande gramado e uma árvore no meio deste gramado. Quando se aproximou da árvore, ele sumiu e vi apenas u…

NA SALA DO ONIBUS

Estava sentado na beira de uma estrada, segurando três envelopes grandes. Um branco e dois amarelos. De repente levantei rapidamente, pois teria que pegar o ônibus quer passava a uns 100 metros de onde eu estava. Quando fui indo, vi outras pessoas indo na mesma direção. Nisto vi o ônibus vindo e comentei com alguém que ia pegá-lo também, que o ônibus nunca atrasava. Numa parte da estrada onde ela simulava uma rotatória muito grande, o ônibus parou. Entramos no ônibus e lá dentro, parecia uma sala grande. Sentei numa cadeira que parecia àquelas cadeiras de escola, com um suporte do lado direito, para agente escrever. Coloquei ali os envelopes. No centro do que seria esta sala dentro do ônibus, havia um cano que servia como suporte. Nisto uma das mulheres que subiu ali, começou a dançar neste poste. Fiquei pensando se o ônibus iria me levar onde eu precisava ir.

COM O CARRO NA LINHA DO TREM

O FATASMA ALARANJADO

A GOTA FATAL

PODER CENTRAL

A JANELA DE VIDRO