Skip to main content

EVITANDO O POSSIVEL PROCESSO

Estava num local, onde havia várias ruas estreitas. Estava meio escuro. Eu segurava um pano de prato na mão. Daí eu fui andando por um passeio bem estreito, indo em direção um tanque de cimento, onde eu deveria lavar o pano de prato. Nisto entrou na minha frente uma menina carregando alguns cadernos na mão, provavelmente vindo de alguma escola. Nisto eu tossi. Então a menina virou para mim e disse que era para eu para de dizer que ela era feia. Eu disse que não tinha dito nada. Ela insistia que eu tinha dito. Um pouco a frente, sentado em cadeiras, havia um homem, uma mulher e em pé, ao lado deles, Havia um rapaz. Então imaginei que aquelas pessoas seriam os pais da menina e se ele dissesse que eu estava rindo da feiura dela, eles podia querer me processar. A menina parou ali e começou a falar sobre algo da escola. Eu segui andando rapidamente, porque se ela falasse depois, eu já estaria longe. Quando cheguei ao tanque, joguei o pano de prato lá dentro e sai correndo por outra ruazinha, para fugir do possível ataque da família da menina.

Comments

Most visited posts

CORRENDO VELOZMENTE DO BICHO ESTRANHO

A JANELA DE VIDRO

FIM DE SEMANA NO SÍTIO

TROCANDO A FRALDA DA CRIANÇA

DE JOELHOS NO CHÃO

SUBINDO O MORRO

ATRAVESSANDO OS FILHOTES DE CACHORRO

A CHUVA. OS CEM REAIS E A GOSTOSA DA JAQUELINE

REBOCANDO A PAREDE

BUEIRO ENTUPIDO