Monday, January 15

A MULHER E OS TRINTA REAIS




Estava indo pela Rua São Paulo com um colega e este ia reclamando muito do serviço e da empresa onde trabalhamos.
Chegando próximo a Avenida Primeiro de Junho uma mulher nos abordou pedindo ajuda para compra algo para comer para os filhos. Este colega meu que estava reclamando virou na Avenida Primeiro de Junho e foi no sentido da Catedral. Eu parei e tirei da carteira trinta reais e dei para a mulher dizendo que dava para ela comprar arroz e feijão para os filhos. A mulher pegou o dinheiro e foi embora. Segui pela Avenida Primeiro de Junho para ir encontrar com meu colega. Ele deveria ter ido numa loja de peças automotivas que tem na esquina da Avenida Primeiro de Junho com Rua Itapecerica. Cheguei nesta loja, olhei lá dentro e ele não estava lá. Fiquei procurando e vi ele descendo a Avenida Primeiro de Junho vindo da Catedral. Fiquei pesando onde ele teria ido porque ele tinha que comprar a peça para o carro que a gente precisava.

Monday, January 8

ESCOVANDO OS DENTES ANDANDO PELA RUA PARA TROCAR FIGURINHAS VIRTUAIS -




ESCOVANDO OS DENTES PELA RUA
Sai da casa da minha mãe, no Bairro Esplanada, escoando os dentes e com meu laptop na mão. Fui andando pelo longo passeio que tem do outro lado da rua, sempre escovando os dentes. Eu queria encontrar pessoas que estavam trocando figurinhas virtuais. Neste passeio tinha pessoas em uma fila muito grande. Ao passar por uma porta que dava acesso a uma empresa que tinha deste outro lado da rua, vi que tinha outras duas filas nesta mesma porta. Eram pessoas que estavam entregando currículos para uma vaga de emprego. Continuei andando e escovando os dentes quando vi um grupo de uns cinco pessoas sentadas no chão com seus Laptop já trocando figurinhas virtualmente. Não era as pessoas que eu procurava. Fui até o final deste passeio, sempre escovando dos dentes e voltei pelo outro lado da rua, no passeio que passa em frente a casa da minha mãe. Não vi as pessoas que eu procurava para trocarmos as figurinhas virtualmente. Cheguei na porta da casa da minha mãe, ainda escoando os dentes e com meu Laptop debaixo do braço e entrei para dentro de casa 

Monday, January 1

O ANDAIME FLEXÍVEL - Cheguei e fui subir neste andaime que foi colocado ali para eu subir e fazer uma verificação no alto dele. Quando fui tentar subir, este andaime se inclinou todo como se fosse flexível




O ANDAIME FLEXÍVEL
Estava na rua da casa da minha mãe no Bairro Esplanada. Bem em frente a casa da minha mãe tinha um andaime muito alto e quatro pessoas tentando subir nele e não conseguiam. Cheguei e fui subir neste andaime que foi colocado ali para eu subir e fazer uma verificação no alto dele. Quando fui tentar subir, este andaime se inclinou todo como se fosse flexível. Ele balançava de um lado para o outro com estrema facilidade. A ponta dele foi para o outro lado da rua. Então fui até o outro lado e segurei neste andaime, porque assim que ele ficassem em pé, eu já estaria lá em cima. Eu disse para aquelas quatro pessoas que estavam ali, que o andaime iria cair quando estivesse ficando em pé. Estas quatro pessoas então ficaram segurando os pés do andaime em frente a casa da min ha mãe. Eu do outro lado da rua segurando a ponta deste andaime. Então o andaime começou a ficar em pé novamente e me levando junto. Quando ele ficou totalmente reto, anoitei um número que precisava. Depois que anotei o número o andaime não mais balançou. Então tive que ir descendo dele como sempre faço quando subo em um andaime.




Sunday, August 6

PLANTAÇÃO DE FITAS ISOLANTES DE 5 CM. Para plantar e produzir este tipo de Fita Isolante era necessário um local onde se pudesse encher de água



PARREIRA COM PLANTAÇÃO DE FITA ISOLANTE DE 5 CM
Em uma fazenda tinha uma parreira com plantação de Fita Isolante de cinco centímetros. Para plantar e produzir este tipo de Fita Isolante era necessário um local onde se pudesse encher de água. Assim, em um vale entre montanhas, o fazendeiro fez esta plantação e encheu o vale de água. A água tinha que ir até próximo ao topo da parreira, mas não podia atingir as folhagens da parreira. Estava ali vendo esta parreira juntamente com outras pessoas. Algumas estavam sentadas em cadeiras de praia vendo a plantação. Os bois que viviam naquela fazenda eram bois de água. Eles viviam naquelas águas onde as parreiras estavam plantadas. Eram como Hipopótamos, só viviam na água e mergulhavam o tempo todo e até ficavam um bom tempo debaixo d'água. O estrume daqueles bois que fertilizavam a terra para que a parreira pudesse crescer. está parreira já tinha produzido esta Fita isolante que saia de seu caule entre as folhas no alto da parreira e iam descendo dentro daquela água até quase tocar o fundo. Não podiam tocar o fundo porque se isso acontecesse a fita perderia seu valor. Conversava com aquelas pessoas ali e dizia que aquela era a maior parreira de Fita Isolante Larga do Mundo. Aquela também era a maior fazenda do mundo e o maior lago artificial para plantio de Parreira do mundo. Disse que o dono dizia que tudo ali era o maior do mundo. Nisto vi que o banheiro que tinha nas proximidades daquela água afundando no chão. Era o sinal de que iam drenar a água para a colheira das Fitas isolantes de 5 Cm. A água começou a descer e foi descendo rapidamente. Eu andava ao redor vendo alguns bois nadando quando vi alguns pequenos bichos andando em círculo no chão. Eram do tamanho de um grão de arroz e haviam uns 10 deles. Quando foi olhar de perto um deles pulou na minha perna e mordeu. Doeu muito, gritei a sai correndo de perto deles. A aguá terminou de baixar deixando as vacas andando no vale seco e as muitas fitas isolantes largas penduradas e prontas para a colheira.

Wednesday, August 10

O URSO E O CACHORRO -



O URSO E O CACHORRO NA FLORESTA
Estava sentado em uma varanda de uma casa de campo. Só havia aquela casa até onde eu podia ver. A vista era magnífica, tudo verde em volta pois a casa ficava na parte mais alta. Podia ver o rio, as trilhas que tinham ali, as copas das árvores e até uma cachoeira ao longe. Estava observando tudo aquilo sentando na varanda, quando olhei para o lado e vi um barril. Em cima deste barril tinha um cachorro pequeno. Ele estava olhando também, na mesma direção que eu. Nisto apareceu um Urso rapidamente. Assustei com o Urso e antes mesmo que eu conseguisse corre, ele pegou o cachorro, colocou em suas costas e saiu correndo por uma daquelas trilhas. Fiquei observando aquela cena e pensando que o Urso poderia ter achado que o cachorro fosse filhote de Urso. Fiquei ali um tempo observando e não vi mais o Urso. Então entrei para dentro da casa