Thursday, December 31

A MARMITA E O CELULAR

Estava na mercearia dos ferroviários, que fica na rua da feira esquina com a “travessa” castelo Branco. Peguei meu celular e liguei para o restaurante, pedindo para levarem o almoço para mim, e entregassem na casa da minha mãe, que ficava ali perto desta mercearia. Enquanto falava, a ligação caiu. Liguei novamente comecei a passar o endereço, quando vi no meio da rua, um homem com um papel, falando ao celular e anotando alguma coisa. Imaginei que seria com ele que eu estaria falando. Desliguei o celular, para falar diretamente com o tal homem. Nisto vi outro, na rua da feira, anotando num papel também. Então percebi que eles estariam fazendo algum serviço para a prefeitura, no sentido de arrumar a rua. Peguei o telefone novamente, liguei outra vez para o restaurante, pedindo a marmita. Eles levaram até a casa da minha mãe, que ficava ali pertinho. Fui até a casa da minha mãe, peguei a marmita e fui para casa almoçar. Chegando em casa, fiquei imaginando porque tinha pedido para levarem a marmita até a casa da minha mãe, se eu morava ao lado do restaurante.

No comments:

Post a Comment

VIVER EH A MAIOR DE TODAS AS AVENTURAS