Sunday, August 7

A MELHOR PALAVRA / SIM NÓS PODEMOS


Estava na rua da casa da minha mãe. Estava anoitecendo. Minha mãe estava comigo. Havia um carro, tipo jipe, sem capota. Havia duas pessoas neste carro, uma delas na direção. Sai dali com minha mãe, em direção ao centro, sendo que depois da linha, na Avenida Antonio Olimpio de Morais, não era rua, e sim um cômodo grande onde estava acontecendo uma manifestação. Eu teria que ir lá, libertar as pessoas que iriam para meu aniversário, e eram mantidas pelos manifestantes. Depois de andar um pouco, lembrei que não tinha pegado meu boné, que estava no jipe. Parei e disse a minha mãe, que voltaria para pegar o boné, pois não iria lá sem ele. Olhei para trás e vi que o jipe já estava indo embora. Então desiste e fui para o centro. Chegando neste cômodo, vi a sala onde as pessoas estavam sendo mantidas. Não queria que meus convidados me vissem sem o boné. Fiquei afastado, entrei noutra sala ao lado e disse para minha mãe atrair os manifestantes para onde eu estava. Nisto entrou onde eu estava uma mulher de uns 20 anos aproximadamente. Com uma trena, bati na cabeça dela, bem devagarzinho, quatro vezes. Mas ela não se importou. Então eu disse a ela, que quando se batia quatro vezes seguidas, a pessoas deveria desmaiar. Ela então caiu no chão, fingindo estar desmaiada. Fiz isto com outras três que entraram ali. Elas caíram no chão e ficaram quietas. Depois sai dali para tentar pegar outras pessoas. Mas fazia de tudo para não entrar na sala onde estavam meus convidados, para que não me vissem sem o boné. A medida que algum manifestante saia da sala, eu batia quatro vezes na cabeça deles, com a trena, e dizia que eles teriam que desmaiar. Todos os manifestantes eram mulheres. Quando terminei, sai correndo em direção onde o jipe estava para pegar meu boné.

No comments:

Post a Comment

VIVER EH A MAIOR DE TODAS AS AVENTURAS