Skip to main content

CORRENDO ATRÁS

-->Vinha por uma rua carregando alguma coisa embrulhada em uma sacola. Passei por algumas pessoas que iam ao mesmo sentido que eu. Quando cruzei com um rapaz que vinha no sentido contrário, ele me parou oferecendo uma sacola para eu colocar o que carregava nas mãos. Mostrei a ele que eu já estava com sacola, só que havia feito ela de embrulho. Ele insistiu, mas eu não quis. Ele então veio me seguindo. Nisto veio outro rapaz e começou a nos seguir. Quando cheguei à casa da mamãe e entrei, os dois entraram também. Fiquei pensando o que os dois estavam querendo ali. Eles entraram como se fosse de casa. Entreguei o embrulho para a mamãe e fui para um quartinho que tinha a porta virada para o alpendre. Os dois entraram comigo lá. O chão do quartinho estava cheio de lama, isto porque o piso era de terra e havia caído água lá. Um destes rapaz depois de pisar nesta lama, sentou na minha cama e colocou os pés na parede. O quartinho tinha três metros de comprimento por dois de largura. Nisto chegou o Ricardo e reclamou com ele o fato dele estar sujando a parede. Ele então tirou a camisa e foi limpar a parede. O outro rapaz veio ajudar a limpar a parede. Minha mãe chegou ali e me entregou algo, depois disse que o almoço estava pronto e que era para a gente ir almoçar.


Comments

Most visited posts

CORRENDO VELOZMENTE DO BICHO ESTRANHO

A JANELA DE VIDRO

FIM DE SEMANA NO SÍTIO

TROCANDO A FRALDA DA CRIANÇA

DE JOELHOS NO CHÃO

SUBINDO O MORRO

ATRAVESSANDO OS FILHOTES DE CACHORRO

A CHUVA. OS CEM REAIS E A GOSTOSA DA JAQUELINE

REBOCANDO A PAREDE

BUEIRO ENTUPIDO