Skip to main content

DE JUIZ DE FORA ATÉ OLIVEIRA, PASSANDO POR CLÁUDIO


Estava num local, parecido com uma residência, mas era uma empresa, eu deveria fazer uma medição da qualidade do ar neste local. Fui chegando neste local, mas já estava começando a anoitecer. Entrei por uma sala, onde o teto era baixo. Passei levando a sonda de medição. Chegando ao local onde faria a medição, havia dois homens me esperando. Um era o dono da empresa e outro o funcionário. O dono perguntou onde eu faria a medição. Olhei e vi rente ao chão, bem no canto da parede, a marca de um buraco que foi tampado, disse que faria no mesmo lugar, que era só destampar aquele buraco ali na parede. O dono mandou o empregado fazer isto. Sai para pegar o restante do equipamento, quando o dono da empresa perguntou por que demorei tanto, se tinha marcado para eu ir ali à parte da manhã. Disse a ele que tive que viajar até a cidade de Juiz de Fora. Ele então disse que Juiz de fora ficava muito longe. Então eu corrigi, dizendo que tinha ido até a cidade de Cláudio. Mas na verdade, eu tinha ido até a cidade de Oliveira. Não consegui entender porque havia dito Cláudio em vez de Oliveira

Comments

Most visited posts

CORRENDO VELOZMENTE DO BICHO ESTRANHO

A JANELA DE VIDRO

FIM DE SEMANA NO SÍTIO

TROCANDO A FRALDA DA CRIANÇA

DE JOELHOS NO CHÃO

SUBINDO O MORRO

ATRAVESSANDO OS FILHOTES DE CACHORRO

A CHUVA. OS CEM REAIS E A GOSTOSA DA JAQUELINE

REBOCANDO A PAREDE

BUEIRO ENTUPIDO